FANDOM


Arkhamlogo

ALERTA DE SEGURANÇA

Para esta wiki ser mais informativa, os artigos a seguir contém spoilers, ou seja, leia por sua conta própria e riscos.

Pistoleiro

ArkhamCityProfileImageDeadshot

Deadshot (2)

Informações Biográficas
Nome Verdadeiro Floyd Lawton
Ocupação Mercenário
Fica em Gotham City
Afiliações Coringa
Máscara Negra
Pinguim
Amanda Waller
Força-Tarefa X
Hugo Strange
Descrição Física
Cor dos Cabelos Castanhos
Cor dos Olhos Azuis
Altura 1.85 m
Peso 88 kg
Informações de Jogo
Aparece em Batman: Arkham Origins
Batman: Arkham Origins Blackgate
Batman: Ataque ao Arkham
Batman: Arkham City
Batman: Arkham Underworld
Batman: Arkham Knight (citado)
Dublador Chris Cox (jogos, em inglês)
Neal McDonough (Ataque ao Arkham, em inglês)
Walmir Barbosa (Arkham Origins, em português)
Rodrigo Oliveira (Ataque ao Arkham, em português)
Primeira Aparição Batman nº 59
(julho/1950)
Não tão rápido Exterminador, ele é meu.
— Pistoleiro, para Exterminador e Batman enquanto lutavam no trailer em CGI de Arkham Origins

Floyd Lawton é o assassino de aluguel mais mortal do mundo.

Ele nunca erra um tiro, ainda mais com seus canhões de 9 mm silenciosos, montados nos pulsos. O Pistoleiro despreza a si mesmo quase tanto quanto seus alvos corruptos; alguns psicólogos já o diagnosticaram com "tendências suicidas".

Batman é a única pessoa que já fez o Pistoleiro errar... o que coloca o Cavaleiro das Trevas no topo da lista de alvos.

Relatório de incidentesEditar

Antes de Arkham OriginsEditar

Floyd Lawton era um atirador militar, um grande assassino, um atirador mestre, e estas habilidades o levaram a se tornar conhecido como Pistoleiro. No entanto, Pistoleiro ganhou a reputação de assumir riscos desnecessários em seu trabalho e foi dispensado do exército. Acredita-se que a raiz desse comportamento imprudente seja a culpa dele por ter matado acidentalmente seu irmão, um ato que o desequilibrou permanentemente. No momento em que levou o ataque ao Batman, ele tinha seis acusações de assassinato no primeiro grau, incluindo o assassinato de pelo menos um funcionário do governo, e seus registros médicos e associados também foram fortemente redigidos. Além disso, um boletim do DPGC também indicou que o Pistoleiro era o principal suspeito de vários assassinatos relacionados a trajetórias complexas de balas, com um registro extenso o suficiente para envolver investigações federais e até da INTERPOL sobre ele.

Em algum momento de sua vida, ele teve uma filha - Zoe Lawton - o que o fez colocá-la como prioridade em sua vida antes de qualquer trabalho. Apesar disso, ela vivia com a mãe e pouco via seu pai. Uma porção do lucro que Floyd ganhava dos seus trabalhos ia para Zoe.

Incidente de Arkham OriginsEditar

O Pistoleiro foi um dos oito assassinos contratados pelo Máscara Negra - sendo na realidade o Coringa em segredo - para matar o Batman. A recompensa era alta: $50,000,000 em dinheiro. Durante uma reunião no Royal Hotel, o Pistoleiro foi chamado para participar dela. Ele e Shiva não foram pessoalmente, ao invés disso, usaram câmeras e apareceram em TVs para conversar com o restante do grupo. O "Máscara Negra" estava decepcionado com os recentes fracassos de outros assassinos - como Crocodilo e Exterminador - e, após se revelar a todos como Coringa, exigiu que eles se apresassem para matar o Cavaleiro das Trevas.

O Pistoleiro mais tarde salvou Batman de alguns policias corruptos que também estavam atrás da recompensa. Ao seguir a trajetória do tiro e deduzir que era do Pistoleiro, uma mensagem deixada pelo assassino pedia para Batman encontrá-lo no Gotham Merchant's Bank, onde Floyd tinha reféns.

O Batman correu para lá para salvar os reféns, e derrotou o Pistoleiro e seus homens utilizando da furtividade. Com ele preso, Batman voltou a caçar os outros assassinos.

Incidente de Cold, Cold HeartEditar

O Pistoleiro foi preso por várias acusações de assassinato, uma por sequestro e outra por tentativa de assassinato. Ele foi prontamente enviado à Prisão de Blackgate para aguardar julgamento. Enquanto ele estava lá, ele foi colocado na ala médica e seus braços foram colocados em moldes.

Entre Cold, Cold Heart e BlackgateEditar

O Pistoleiro ficou três meses inteiros em Blackgate, apenas aguardando sua chance de se vingar. Batman havia sido a primeira pessoa que não só o derrotou, mas o fez errar um tiro, e o Pistoleiro estava disposto a pegá-lo por qualquer recompensa. Ao saber disso, antes de um motim na prisão, tanto o Pinguim quanto Máscara Negra e o Coringa, contrataram Floyd para manter Batman afastado.

Incidente de BlackgateEditar

Quando o motim começou e os três principais criminosos de Blackgate: Pinguim, Coringa e Máscara Negra, começaram a tomar diferentes setores da prisão, o Pistoleiro foi encarregado de guardar a passagem entre eles, sem os seus chefes saberem que ele estava sendo contratado pelos três de uma vez. O Pistoleiro então confrontou Batman novamente, durante a noite. Neste confronto, Batman conseguiu pacientemente se aproximar do Pistoleiro e derrubá-lo, o prendendo novamente.

Mais tarde, o Pistoleiro foi pego por Amanda Waller e Rick Flag, ao lado do Tigre de Bronze para a Força-Tarefa X, um grupo de criminosos que eram forçados a trabalhar para o governo em missões onde eles não deveriam ter envolvimento, ou eram perigosas demais para arriscar seus próprios homens.

Incidente de Ataque ao ArkhamEditar

"Bang".
— Um bordão comum do Pistoleiro durante este tempo

Durante os anos que se passaram após Blackgate, o Pistoleiro fez diversas missões para Amanda. Ele viu diversos membros saírem do grupo - como o Tigre de Bronze - e até morrerem.

Durante uma noite, o Pistoleiro foi sedado e acordou novamente em uma sala com outros membros da Força-Tarefa X, alguns já conhecidos - como o Capitão Bumerangue - outros novos - como o KGBesta. Amanda explicou que a missão do grupo era invadir o Asilo Arkham em silêncio e roubar a bengala do Charada, que continha informações confidenciais. Ela explicou que aquele que saísse da linha, teria sua cabeça explodida por um micro-dispositivo implantado no pescoço dos membros, como uma nano-bomba. KGBesta duvidou dela e, ao tentar sair, Amanda o matou.

Durante à noite, o Pistoleiro foi até o Pinguim para buscar sua ajuda, se equipar, e montar um bom plano. Nesta noite, ele e Arlequina fizeram sexo. O Pistoleiro também voltou a ter confrontos com o Capitão Bumerangue sobre a liderança da equipe e outros problemas. Ao se prepararem, o grupo se infiltrou no Arkham disfarçado de guardas, levando Arlequina como falsa prisioneira. Capitão Bumerangue entrou de outra maneira junto a Nevasca. Enquanto ainda fingia ser um guarda, o Pistoleiro foi obrigado a escoltar Arlequina e durante o caminho, ela se reencontrou com o Coringa - quem aparentemente estavam brigados. A criminosa roubou a pistola de Floyd e atirou na cela blindada do Coringa, fazendo abrir uma brecha na parede para que o Palhaço explorasse mais tarde. O Pistoleiro então voltou ao seu trabalho normalmente.

Eventualmente a equipe se encontrou na sala de pertences. Uma parte do grupo havia trocado as câmeras para filmagens antigas, assim alguém de fora não saberia o que estava acontecendo lá dentro.

Enquanto a equipe estava procurando pela bengala do Charada, Batman, que soube do problema na ilha ao ver que os funcionários do dia anterior estavam nas filmagens atuais, invadiu o Arkham e encontrou o esquadrão. Depois de uma luta, a sala explodiu, e o Aranha Negra foi o único que ficou para trás. Ele apareceu após um tempo dizendo ter matado o Batman, pegara seu cinto de utilidades e o chamava de troféu. A Força-Tarefa X então continuou sua missão. Eventualmente, Nevasca se separou do grupo e Pistoleiro percebeu que ela estava indo atrás do Charada, e também notou que ela estava olhando para a câmera dele quando eles estavam na sala de segurança mais cedo. Chegando à cela do Charada, Nigma estava conversando com Nevasca. Waller então tentou contatá-los e informou que a Unidade de Crimes Especiais foi chamada para o Centro Médico do Arkham, sabendo que Arlequina sabia onde ficava, Pistoleiro exigiu que ela os levasse até lá, onde encontraram Charada e Nevasca presos pela U.C.E..

Ao salvá-los, Nigma contou que já havia sido um membro da Força-Tarefa X antes de muitos deles, e que havia descoberto como desligar a bomba: através de uma alta carga elétrica. Mudando de plano, o esquadrão foi até uma sala onde poderia receber a alta voltagem e se livrarem do controle de Amanda. Com exceção de Aranha Negra - que ficou de vigia - todos os membros levaram uma grande descarga elétrica. Amanda, percebendo a situação, ligou as bombas e a única que ativou foi a do Tubarão-Rei, que não havia desativado pela sua pele ser grossa demais para o choque passar. Ele então foi morto, mas o que mais preocupou o grupo foi o Aranha ter sobrevivido mesmo não levando a descarga. O Charada logo percebeu que ele era o Batman, e uma luta se iniciou novamente, com Batman vitorioso. Ele então interrogou Floyd e perguntou o que ele estava fazendo lá, e Pistoleiro contou tudo ao Morcego. Antes que ele pudesse terminar, o Coringa; que havia escapado a Arlequina, atacou e explodiu a sala. O Pistoleiro saiu com Nevasca, Capitão Bumerangue e Arlequina, apenas para ser confrontado pelo próprio Coringa, que estava chateado com ele por ser "o novo homem da Arlequina". Harleen então contou que a única razão pela qual ela estava lá era para libertá-lo e só os estava usando, dizendo que aquele tiro na cela foi proposital. O Palhaço então decidiu pareceu mudar de ideia e apontou a arma para o Pistoleiro.

O Pistoleiro então afirmou que a arma estava descarregada, e que se o Coringa atirasse e não o matasse, Floyd iria matá-lo. Isso distraiu o Palhaço, que rapidamente fugiu com Arlequina e libertou prisioneiros do Arkham. Uma grande confusão começou e o trio que restou viu um helicóptero para fuga. Nevasca foi perdida no meio da confusão, e Pistoleiro foi obrigado a lutar contra Bumerangue para ter o helicóptero. Dentro de lá, o Coringa e Arlequina apareceram (já que haviam escondido lá dentro). Enquanto Pistoleiro e o Palhaço brigavam, Arlequina tentou pilotar o helicóptero enquanto eram seguidos pelo Batman. O helicóptero caiu em um prédio próximo, e a briga entre Pistoleiro e Coringa continuou.

Por fim, Pistoleiro foi capaz de jogá-lo no helicóptero e fazê-lo cair com o peso do Coringa, deixando sua morte em questão. Batman havia detido Arlequina e um plano do Coringa do qual Pistoleiro não sabia. Mais tarde, Pistoleiro levou sua filha para férias, mas antes que pudessem sair, ele decidiu terminar de vez seus assuntos com Amanda Waller. Ele montou um rifle de precisão e vigiou uma reunião de Waller com Batman. Após o Cavaleiro das Trevas se retirar, ele ligou a mira vermelha do rifle e apontou para Amanda, dizendo seu bordão "bang!" antes de atirar. No entanto Batman acabou por impedir o Pistoleiro de atirar em Amanda.[1]

Antes de Arkham CityEditar

Eventualmente, com a abertura de Arkham City, o Pistoleiro foi contratado por Hugo Strange para eliminar prisioneiros políticos e pessoas que Strange queria fora de vista.

Incidente de Arkham CityEditar

Bruce Wayne? Você está na minha lista. Bang.
— Pistoleiro, após encontrar com Bruce Wayne

O Pistoleiro fingiu então ser preso para que pudesse entrar em Arkham City. Lá, ele encontrou Bruce Wayne, um dos alvos de Strange, e o alertou que ele "estava na sua lista". Mais tarde, o Pistoleiro matou seu primeiro alvo no topo de uma torre de rádio. Batman descobriu que era Floyd o responsável e o caçou durante à noite.

O segundo assassinato do Pistoleiro levou ele a dar uma pista a Batman. O tripé de seu rifle continha resíduos de um composto específico de anos atrás usado para pintá-lo. Levando Batman a saber áreas possíveis de onde o Pistoleiro guardava suas armas, mas eram muitos locais para Batman checar no momento, e precisaria de mais um deslise do Pistoleiro.

O terceiro assassinato levou Batman a crer que o Pistoleiro estava deitado quando atirou, já que havia sua marca na neve. As partículas deixadas pelo seu uniforme levaram Batman ao quarto alvo antes do Pistoleiro matá-lo: Jack Ryder. O Pistoleiro ainda tinha além de Jack, Bruce Wayne e Batman para matar (separadamente). Batman salvou Jack e confrontou Pistoleiro, o derrotando.

Após Arkham CityEditar

Lawton foi libertado junto com muitos outros presos após o fechamento de Arkham City; como ele era realmente um assassino de alguel, ele não era considerado um interno de verdade na super-prisão. Suas manoplas, no entanto, foram mantidas pelo DPGC.

Entre Arkham City e Arkham KnightEditar

O Pistoleiro reapareceu em Gotham para um novo Esquadrão Suicida liderado pela Arlequina, livre de Amanda Waller e seus explosivos. Depois de libertarem o Crocodilo do DPGC, o Pistoleiro viu a chance de atirar em Batman e Robin de um telhado próximo, mas Arlequina o impediu de fazê-lo.

O "Novo Esquadrão Suicida" havia sido contratado pelo Pinguim para assassinar Bruce Wayne. Eles esperaram cerca de nove horas até verem e atacaram o carro de Bruce, mas foi Batman, não Wayne, que emergiu dele. Na luta que se seguiu, o Pistoleiro admitiu que ainda estava trabalhando para Amanda Waller, que o investigou por tráfico de armas. Ele também atirou no Capitão Bumerangue na parte de trás da cabeça antes de ser jogado de lado pelo Crocodilo, que queria matar Batman.

Pistoleiro levou um bumerangue explosivo do cadáver do Capitão Bumerangue, que ele usou para explodir e mandá-lo Crocodilo de volta nos esgotos. Floyd então alertou Batman que se ele o levasse sob custódia, Waller o libertaria, então ele sugeriu que ambos investigassem o tráfico de armas de Pinguim juntos. Batman deu um soco no Pistoleiro na mandíbula, mas ele concordou com a sugestão.

Batman e Pistoleiro foram para a Stagg Enterprises, onde Batman insistiu que Pistoleiro não usasse nenhuma arma contra os guardas. Eles não esperaram pelo Asa Noturna, que estava vindo para fornecer apoio, e descobriram o Projeto: Meta, a tentativa de Simon Stagg de transformar a lama de Cara-de-Barro em armas. O cientista responsável pelo projeto, confundindo Batman e Pistoleiro com agentes do governo que tentavam roubar seu trabalho, abriu fogo contra eles com algum tipo de rifle de laser avançado. Isso abriu algumas das unidades de armazenamento de espécimes e uma criatura parecida com Cara-de-Barro atacou o cientista. Batman o salvou, mas Pistoleiro não conseguiu impedir a criatura de escapar por um buraco que havia queimado no chão. Ele alegremente tirou o rifle a laser do cientista antes de seguir Batman pelo buraco.

Lá fora, Batman foi tragado pela criatura e Pistoleiro logo mirou cuidadosamente. A pistola do Comissário Gordon acertou a parte de trás da cabeça de Floyd e deixou Batman para se libertar. Batman derrotou o monstro após Gordon prender Pistoleiro pelos dezenove mandados pendentes contra ele.

No prédio do DPGC, Gordon estava interrogando Lawton quando Amanda Waller apareceu pessoalmente para discutir com ele sobre a prisão. Gordon ficou distraído quando Batman (na verdade Dick Grayson vestindo o Bat-Traje) apareceu para entregar Bruce Wayne em segurança. Quando Gordon voltou, Lawton e Waller haviam sumido.

Após Arkham KnightEditar

Lawton se "aposentou" de sua vida criminosa após ser extraditado por Waller. Ele pegou seu dinheiro restante e foi embora do país com sua filha.

PersonalidadeEditar

"Perigoso, mas imprudente", como ele foi descrito por Batman, Floyd Lawton foi dispensado do Exército por ser desnecessariamente arriscado. No entanto, ele ainda era considerado o "maior assassino do mundo" e ganhou o título de Pistoleiro por seus elaborados métodos de rastreamento de alvo e peritos. Pistoleiro também teve rancores, especialmente em relação a Batman, a única pessoa que o fez perder um alvo. O Pistoleiro parece ser bem possesivo em relação a suas vítimas, salvando Batman duas vezes na véspera de Natal apenas para não deixar ninguém pegar a recompensa dele.

Alguns perfis psicológicos do Pistoleiro falam que ele tem "tendências suicidas", provavelmente pelo número enorme de perdas e tragédias em sua vida, como ter matado seu irmão por acidente. Floyd não gosta de si mesmo e parece mostrar empatia apenas para sua filha Zoe. Ele também é um sujeito frio e calculista, com treinamento militar severo. Floyd foi capaz de manter a calma mesmo com o Coringa apontando uma arma para ele, e ainda conseguiu manipular o Palhaço para acreditar que ela estava descarregada.

AparênciaEditar

Enquanto em campo, Floyd Lawton usa uma máscara para esconder sua identidade, e equipamentos de segurança como coletes à prova de balas e protetores para os ouvidos. Uma de suas marcas é o visor em um de seus olhos, que o permitem ver pontos exatos de onde atirar para que a bala faça uma trajetória específica. Este visor foi necessário em sua vida em diversos momentos, para matar alvos de longas distâncias, já que ele pode enxergar em até quilômetros de distâncias.

Em Batman: Arkham Origins, o Pistoleiro usava roupas pretas e vermelhas/laranjas, com uma arma montada em seu pulso esquerdo e direito, do mesmo calibre. Ele também usava rifles de precisão em diversos momentos. Em Batman: Ataque ao Arkham, o Pistoleiro usou um uniforme mais simples, abandonando o vermelho e trocando pelo marrom, para melhor camuflagem. Sua roupa era mais fina e possuía menos proteção do que os coletes convencionais. Em Batman: Arkham City, o Pistoleiro voltou a usar mais proteção. Inicialmente, o vemos vestido de prisioneiro com roupas padrões dos detentos de Arkham City, quando ele volta a aparecer, já está com um traje marrom/amarelo com mais proteção do que o último. Coletes à prova de balas e duas armas montadas em cada pulso.

Um pequeno erro de continuidade pode ser visto em Arkham Origins e Ataque ao Arkham/Arkham City em relação à raça de Floyd Lawton. Em Arkham City ele era retratado como um homem moreno (mas com olhos azuis desde aquele jogo), de cabelos pretos e pele mais escura. Em Arkham Origins, sua aparência parece ter mudado drasticamente, com exceção da cor dos olhos, sua pele parece ter ficado mais claro e seus cabelos e sobrancelhas ficaram ruivos (mesmo sendo descritos como castanhos no boletim do DPGC). Apesar disso, Ataque ao Arkham restabeleceu a aparência do Pistoleiro a de Arkham City. A cor do cabelo pode ser facilmente explicada na série, mas a cor da pele ainda permanece um pequeno mistério de o por que é tão diferente nos dois jogos.

EquipamentosEditar

ArmasEditar

Assassinatos notáveisEditar

Arkham OriginsEditar

  • Três membros da SWAT com um tiro.

Ataque ao ArkhamEditar

Arkham CityEditar

Tentativas notáveisEditar

Perfil psicológicoEditar

PistoleiroEditar

  • Nome verdadeiro: Floyd Lawton

Perfil do DPGCEditar

  • Nome: Lawton, Floyd - Vulgo "Pistoleiro"

Antes de sua dispensa desonrosa, Lawton recebeu Crachás de Qualificação para Armação do Exército no nível "Especialista" em todas as categorias de armas AR670-1. Os instrutores da Academia observaram que ele não encontrou um desafio de atingir diretamente os objetivos e tem a tendência de inserir seus próprios requisitos adicionais para "tornar as coisas interessantes".

Pouco se sabe sobre Lawton desde a sua alta, embora ele seja suspeito de vários assassinatos, todos envolvendo cenários balísticos complexos e exclusivos a longo prazo.

Os mandados federais e da Interpol foram emitidos, mas nunca foram cumpridos, e os mandados federais alternam entre válidos e rescindidos. Lawton deve ser considerado armado e extremamente perigoso. Conhecido por táticas de alto risco para diminuir sua capacidade de sobrevivência e aumentar a dificuldade de qualquer tarefa em mãos. É altamente provável que Lawton abrigue um desejo de morte - considere isso ao envolver o suspeito.

Banco de dados do BatmanEditar

Lawton era um franco-atirador militar mortal com uma longa lista de assassinatos, mas sua ficha diz que ele frequentemente corre riscos desnecessários ou cria planos excessivamente complexos. Possivelmente por isso foi expulso da força e passou a trabalhar como mercenário. Embora seu histórico militar seja restrito, seu perfil psicológico sugere que ele carrega uma grande culpa pelo assassinato acidental de seu próprio irmão.

AtributosEditar

  • Mestre atirador
  • Especialista com todas as armas e projéteis

NotasEditar

  • Mestre atirador.
  • Ex-militar, experiência especifica apagada.
  • A atitude impulsiva sugere instabilidade mental.
  • Um dos melhores atiradores de elite do mundo.

GaleriaEditar

Batman: Arkham OriginsEditar

Batman: Ataque ao ArkhamEditar

Batman: Arkham CityEditar

CuriosidadesEditar

  • O dublador do Pistoleiro, Chris Cox, foi um dos poucos que voltou para fazer a voz do personagem em Batman: Arkham Origins, considerando que muitos dos dubladores foram trocados neste terceiro jogo.
  • Bruce Wayne e Batman estavam como alvos separados para o Pistoleiro. Isto indica que Hugo Strange não revelou a identidade secreta de Bruce para Floyd.
  • Se o Batman lançar um Batarangue no Pistoleiro durante seu confronto, o objeto será abatido no ar.
  • As armas e equipamentos do Pistoleiro são feitas para não serem afetadas pelo Anulador.
  • O Pistoleiro está presente na reunião do Royal Hotel em Batman: Arkham Origins, no entanto, ele pode ser preso antes desta missão.
    • Ele ser preso ou não antes da reunião, não afeta a cutscene.
  • Em Arkham Origins, se o jogador verificar o meio da ponte, pode ser encontrado uma mala que continha um rifle de precisão, que provavelmente era do Pistoleiro.
    • Esta especulação se deve ao fato de que o Pistoleiro atira em Batman desta ponto no trailer CGI promocional para Arkham Orgins. O trailer é colocado horas antes (ou até menos) do início do jogo.
    • Pode ser possível também que a mala seja apenas um Easter Egg para o trailer promocional.
  • O trabalho que o Pistoleiro fez para o Coringa em Arkham Origins é mencionado na animação Batman: Ataque ao Arkham pelo próprio Palhaço do Crime.
  • O Pistoleiro demonstra ser cuidadoso não só contra seus alvos, mas também para salvá-los de outros que possam querer pegar a recompensa. Durante a véspera de Natal, o Pistoleiro salvou Batman duas vezes, uma no trailer CGI do jogo onde ele impede o Exterminador de matar o Morcego, e outra na sua Missão dos Mais Procurados, onde ele derruba um helicóptero de policiais corruptos que queriam matar Batman pela recompensa.
  • O título de Maior Assassino do Mundo é constantemente disputado entre o Pistoleiro e Exterminador, que possuem forte rivalidade um com o outro.

ReferênciasEditar

  1. Batman: Arkham Underworld, 2017
O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.