FANDOM


Arkhamlogo

ALERTA DE SEGURANÇA

Para esta wiki ser mais informativa, os artigos a seguir contém spoilers, ou seja, leia por sua conta própria e riscos.

Hera Venenosa

Poison Ivy promotional image

Poison ivy-Arkham city

ArkhamCityIvy

Batman-arkham-asylum-poison-ivy2

ArkhamIvy

Informações Biográficas
Nome Verdadeiro Pamela Lillian Isley
Ocupação Criminosa profissional
Fica em Gotham City
Afiliações Mulher Gato
Arlequina
Batman
Descrição Física
Cor dos Cabelos Ruivos
Cor dos Olhos Verdes
Altura 1,73 m
Peso 52 kg
Informações de Jogo
Aparece em Batman: Ataque ao Arkham
Batman: Arkham Asylum
Caos em Arkham City
Batman: Arkham City
Batman: Return To Arkham
Batman: Arkham City Lockdown
HQ Batman: Arkham Knight
Batman: Arkham Knight
Romance Arkham Knight
Dublador Tasia Valenza (Asylum, City, Knight em inglês)
Amy J. Carle (City Lockdown)
Fernanda Bullara (Knight em português)
Primeira Aparição Batman nº 181
(junho de 1966)
A natureza sempre vence.
— Hera Venenosa

A botânica Pamela Isley foi transformada em um ser híbrido vegetal e humano através de um experimento fracassado. Com clorofila fluindo nas veias no lugar do sangue, ela desenvolveu um toque tóxico e um talento para a sedução, alimentado pelos feromônios.

Seu terrorismo ecológico geralmente a coloca contra Batman, cuja a força de vontade ferrenha o protege dos seus sedutores poderes.

Relatório de incidentesEditar

Antes de Cold, Cold HeartEditar

Pamela Isley se tornou uma botânica e dona de uma loja de flores chamada Baudelaire em North Gotham. Ela ficou sob supervisão do Dr. Jason Woodrue enquanto estudava.

Incidente de Cold, Cold HeartEditar

Arkham origins-easter egg-Isley

O crachá de Pamela Isley.

Mais tarde, na véspera do ano novo, Pamela presumivelmente se formou em sua universidade e foi convidada por Ferris Boyle como uma estagiária na GothCorp, ajudando sua empresa a desenvolver linhagens de plantas resistentes ao congelamento para agricultura em climas frios e a possível colonização de Marte.

Durante o ataque do Sr. Frio à GothCorp, Pamela estava trabalhando no laboratório de biologia. De alguma forma, ela conseguiu iludir os bandidos contratados, prontamente fugiu do edifício no caos e deixou para trás seu crachá.

Entre Cold, Cold Heart e Ataque ao ArkhamEditar

Algum tempo antes da tomada do Asilo Arkham pelo Coringa, Pamela Isley foi transformada por seu mentor, Dr. Woodrue, após tomar uma mistura tóxica e potencialmente letal de fitohormônios que ele a forçou a ingerir. No hospital em que estava se recuperando, ela aprendeu que tinha se transformado em um híbrido de vegeta e humano, e percebeu uma nova conexão com a vida vegetal, incluindo com a orquídea que Woodrue havia deixado para ela. Ela começou a culpar a humanidade pelos maus tratos a plantas e a vida vegetal no geral, recristalizando-se como "Hera Venenosa" para se distanciar dos humanos e de seu "eu antigo" Pamela Isley.

Aliando-se à vida vegetal, que ela considerava muito menos traiçoeira que a humanidade, ela lançou esporos venenosos de plantas em Gotham City em um ato de vingança, matando centenas. Presumivelmente, durante esse tumulto, ela conheceu outra ex-médica que se tornou a terrorista conhecida como Arlequina.

Eventualmente, ela foi derrotada e capturada. Considerada insana, Hera foi então encarcerada no Asilo Arkham. Infelizmente, sua condição mental se deteriorou ainda mais e ela se convenceu de que, longe de sofrer mutações, era agora a encarnação da própria mãe natureza.

Incidente de Ataque ao ArkhamEditar

Durante o ataque da Força-Tarefa X ao Asilo Arkham, Hera foi uma dos muitos presos que foram libertados pelo Coringa. Ela foi direto aos Jardins Botânicos, onde se reunia com suas plantas e facilmente destruía os guardas que tentavam enfrentá-la. Mais tarde, várias videiras agarraram guardas e presos inocentes e os levaram para Hera, onde ela os hipnotizava com seus feromônios e os transformava em seus guarda-costas zumbis. Durante a tentativa de tomada da ponte, Hera assumiu o comando de uma de suas plantas e tentou avançar pela linha de defesa final na ponte. Em retaliação, os guardas usaram granadas de fumaça para afinar a multidão enlouquecida, além de fazer Hera recuar de volta para o Asilo, onde presumivelmente ela foi presa e enviada de volta para sua cela após a situação ser controlada.

Entre Ataque ao Arkham e Asilo ArkhamEditar

Anos mais tarde, Hera tentaria escapar usando seus feromônios de controle mental em seus médicos. A Dra. Young se mostrou imune a suas habilidades (seus poderes afetavam apenas os homens), então ela voltou sua atenção para o Doutor Stephen Kellerman; e ameaçou matá-lo se o Diretor do Asilo, Quincy Sharp, não a libertasse. Sharp no entanto se recusou a ser intimidado e a prendeu em uma cela isolada de confinamento onde ela não teria contato com nenhum homem para manipular.

Além disso, a Dra. Young começaria a alterar a vida vegetal local para produzir os produtos químicos necessários para suas experiências com o Titan. Hera podia sentir todas as alterações cruéis feitas nas plantas e estava desesperada para fugir e terminar os experimentos de Young, mas não conseguiu fazer nada para contar sobre os crimes da Dra. aos outros médicos, por ela estar confinada.

Incidente de Arkham AsylumEditar

Durante o motim do Coringa no Asilo Arkham, Hera se encontrou com o Batman e implorou para que ele a libertasse, mas o mesmo achou que seria melhor se ela continuasse confinada do que solta pela ilha. Mais tarde, Arlequina se encontrou com Hera que, apesar de não estar na lista de convidados do Coringa, foi solta pela criminosa. Livre, ela seguiu para os Jardins Botânicos onde ficou com suas plantas.

Batman mais tarde a confrontou sobre uma possível cura ao Titan, e convenceu Hera a ajudá-lo. Ela contou sobre fungos que cresciam no covil do Crocodilo que podiam ajudar a fazer uma cura. Eventualmente, o Coringa inseriu Titan nas plantas de Hera, fazendo-as crescer incontrolavelmente na ilha e torná-las mais forte, diferente do que Batman havia dito, que elas morreriam com as doses de Titan.

Isso fez Hera voltar a desconfiar de Batman, especialmente depois que ele foi enfrentá-la pedindo para ela voltar a sua cela. Uma luta se seguiu entre os dois e Batman saiu vitorioso. Hera foi levada mais tarde pelos guardas de volta ao encarceramento.

Entre Arkham Asylum e Arkham CityEditar

Como o próprio Coringa que havia tomado uma dose de Titan na noite do motim, Hera logo começou a sucumbir aos efeitos colaterais da fórmula da Dra. Young. No entanto, o Prefeito Quincy Sharp instruiu seus guardas a negar qualquer assistência médica a Hera e a deixou morrer.

Trancada em confinamento solitário, com seu corpo devastado por sua doença, Ivy só podia rezar pela salvação que ela tinha certeza de que nunca viria. Ele veio e na forma de um padre, ironicamente. O Prefeito Sharp, confiante de que ela estava quase morta, permitiu que o padre desse a Hera os últimos ritos. No entanto, ela conseguiu manipular o pólen do casaco dele em um antídoto para sua doença e se recuperou completamente.

Indignado por ela ter sobrevivido, Sharp ordenou que Hera fosse transferida para Arkham City. Foi durante essa transferência que ela foi resgatada pela Mulher Gato, que a deixou no Gotham Central Park. Parecia que isso fazia parte de um plano da Mulher Gato para reunir aliados poderosos para seus futuros empreendimentos em Arkham City. Como o parque não fazia parte de Arkham City, Hera ainda estava livre. Antes de sair, ela fez Selina prometer regar suas plantas.

Incidente de Arkham CityEditar

Enquanto ela planejava invadir o cofre de bens confiscados do Hugo Strange, a Mulher Gato decidiu pedir ajuda a Hera. Quando ela entrou no covil de Hera, a mesma a atacou com bandidos hipnotizados e esporos que eram atraídos por calor; Hera, estava se preparando há meses para livrar Arkham de seus "sacos de carne" e substituí-los por esporos. Quando Mulher Gato derrotou os bandidos de Hera, a mesma usou uma de suas videiras para prender e pendurar Selina de cabeça para baixo, e expressou sua raiva pela morte de suas plantas, que Selina havia esquecido de regar.

Quando Hera afirmou que a única flor que restava estava dentro do cofre de Hugo, a Mulher Gato se ofereceu para recuperar a flor para ela se Hera criasse uma rota para ela entrar no cofre. A criminosa concordou com relutância e usou suas videiras para criar um túnel subterrâneo para a invasão de Selina. Uma vez que Mulher Gato estava dentro do local, ela viu a planta de Hera, mas a jogou no chão e a matou como vingança por ser atacada. No entanto, quando ela ouviu que Batman havia sido pego na destruição da Siderúrgica Sionis, Mulher Gato largou os itens que ela havia roubado e optou por resgatá-lo.

Se Mulher Gato optar por voltar para ver Hera, ela culpará a morte da planta em Hugo Strange. Cheia de ódio, Hera afirmará que logo se vingaria de Strange, e depois de Gotham.

Entre Arkham City e Arkham KnightEditar

Incidente de Arkham KnightEditar

LegadoEditar

PersonalidadeEditar

Depois dos efeitos do Titan em suas plantas, Hera Venenosa se tornou uma psicopata de boa fé. Ela mantinha uma consideração delimitada para a vida humana e, muitas vezes, referia o ser humano como "carne e pele". Sua visão de erradicar toda a vida humana para a vida vegetal foi considerada como uma forma de perfeccionismo, embora psicótica.

Durante a maior parte da sua vida, Hera mostrou ter um charme sedutor em relação aos homens, e muitas vezes encontrou uso em seus poderes para controlá-los. Como a Mulher Gato, Hera foi considerada como o pináculo da dominação, dado que ela conseguiu usar o controle mental e até mesmo a própria beleza para que os homens realizassem atos contra sua vontade.

AparênciaEditar

Devido aos efeitos de sua mutação, Hera Venenosa tem uma pele verde floresta, globos oculares verdes e iris verdes. Ela tinha lábios cheios, provavelmente por causa de seu batom vermelho, e longos cabelos encaracolados que geralmente ficava solto, de cor ruiva. Na superfície de sua pele há algumas folhas e raízes que correm por algumas partes de seu corpo. Ela usava em algumas ocasiões, plantas para prender o cabelo.

Suas roupas geralmente focalizavam na sua sexualidade, deixando partes de seu corpo amostra para tentar seduzir seus inimigos. Durante seu tempo encarcerada no Asilo Arkham e Arkham City, Hera usava apenas uma camisa do Arkham vermelha e uma calcinha verde feita de plantas. Ela continuou usando a mesma camisa quando foi apreendida pelo Departamento de Polícia de Blüdhaven, e durante o incidente do Dia das Bruxas.

Perfil psicológicoEditar

Hera VenenosaEditar

  • Nome verdadeiro: Dr. Pamela Isley

Dra. Penelope YoungEditar

Outro paciente cujo tratamento é complicado por uma condição médica bizarra, Isley tem um código genético modificado que incorpora um DNA de planta e a torna fisicamente tóxica para os outros. Ela é essencialmente profundamente anti-social, acreditando ser não apenas desumana, mas superior aos outros; esse diagnóstico está atrelado à sua hipersexualidade, que assume a forma de uma tentativa constante de seduzir outras pessoas a obedecê-la. Ela também mostra uma crença narcísica em seu papel como protetora de todo o mundo natural.

Notas adicionais

Estranhamente, Isley é outra ex-doutora que agora é interna (como Arlequina).

Ela parece ressentida durante nossas sessões de tratamento; acredito que sou uma mulher frustra sua erotomania. Ela acredita desesperadamente que todos os residentes masculinos de Arkham estão pelo menos em parte apaixonados por ela.

Estive pesquisando seus antigos trabalhos de pesquisa, muitos dos quais nunca foram publicados. Há algum trabalho fascinante lá...

Dr. Hugo StrangeEditar

  • Pamela Isley vulgo Hera Venenosa

AtributosEditar

  • Capaz de comandar o crescimento de vegetais
  • Genes de plantas combinados ao seu DNA
  • Exala feromônios naturais que controlam as vítimas
  • A pele libera uma toxina mortal
  • Impulso patológico de proteger a natureza da humanidade

Entrevista com pacienteEditar

Fita UmEditar

Entrevista nº 41 com paciente, 12 de nov.
  • Dr. Stephen Kellerman: Entrevista com a paciente Pamela Lillian Isley. 12 de novembro. 11:33 da manhã. Bom dia, Pamela. Como está se sentindo hoje?
  • Hera Venenosa: Bem. Hoje o dia é especial.
  • Dr. Stephen Kellerman: O que você quer dizer?
  • Hera Venenosa: Hoje é o aniversário da minha nova vida, quando eu encontrei meu verdadeiro eu, meu destino.
  • Dr. Stephen Kellerman: Você se refere ao evento com o Dr. Woodrue?
  • Hera Venenosa: Sim, o que mais? Na época eu pensei que o Jason tinha me envenenado, mas pensando agora, ele me fez um grande favor.
  • Dr. Stephen Kellerman: E por que você acha que o que ele fez... ajudou você?
  • Hera Venenosa: Ele me mostrou um mundo maior. Um mundo que eu devo proteger. Claro que a minha primeira proposta foi rejeitada.
  • Dr. Stephen Kellerman: Proposta? Você tentou matar todo mundo em Gotham.
  • Hera Venenosa: Às vezes, para dar belas flores, a pode tem que ser drástica.

Fita DoisEditar

Entrevista nº 42 com paciente, 14 de nov.
  • Dr. Stephen Kellerman: Entrevista com a paciente Pamela Lillian Isley. 14 de novembro. 10:21 da manhã. Olá, Pamela. Hoje eu gostaria de falar sobre algo que você comentou na nossa última entrevista.
  • Hera Venenosa: Pode me perguntar o que quiser.
  • Dr. Stephen Kellerman: Você disse que sua primeira oferta para ajudar Gotham foi rejeitada. Como você pode pensar assim?
  • Hera Venenosa: O que você quer dizer?
  • Dr. Stephen Kellerman: Você libertou milhares de esporos venenosos em Gotham, matou centenas de pessoas. Como isso ajuda alguém?
  • Hera Venenosa: Não estou interessada em corpos, doutor. Sacos de carne horríveis que andam por aí destruindo minhas pobres crianças com sua ganância e arrogância.
  • Dr. Stephen Kellerman: Mas você não é um desses sacos de carne? Você é... foi uma doutora também. Como pode se voltar contra nós?
  • Hera Venenosa: Foi bem fácil, na verdade, mas não sou contra você, Stephen. Você é diferente. Eu sinto que temos uma conexão.
  • Dr. Stephen Kellerman: É? Você acha?
  • Hera Venenosa: É claro.

Fita TrêsEditar

Entrevista nº 43 com paciente, 15 de nov.
  • Dr. Stephen Kellerman: Pamela! Eu trouxe o que você queria. Gostou?
  • Hera Venenosa: Ah, claro. Amei. Que flor linda. Se importa se eu ficar com ela?
  • Dr. Stephen Kellerman: Ah, não, Pamela. Não posso deixar isso aqui. É contra as regras. Mas eu posso trazer e te mostrar quando vier te visitar.
  • Hera Venenosa: Mas sou eu, Stephen. Eu fico solitária sozinha. Você não quer que eu fique solitária, né?
  • Dr. Stephen Kellerman: Não, claro que não. Pode ficar com ela. Só não deixe ninguém ver. Ninguém mesmo.
  • Hera Venenosa: Pode confiar em mim, Stephen. Obrigada. Me dê um beijo.
  • Dr. Stephen Kellerman: Não posso... alguém vai ver.
  • Hera Venenosa: Não tem ninguém olhando. Qual é o seu problema? Você não me ama? Me chama de Hera.
  • Dr. Stephen Kellerman: É claro que eu te amo.

Fita QuatroEditar

Interrogatório nº 1 com paciente, 17 de nov.
  • Quincy Sharp: Onde está o Doutor Kellerman?
  • Hera Venenosa: Como eu vou saber? Que falta de atenção sua perdê-lo.
  • Quincy Sharp: Não tenho tempo para os seus joguinhos, senhorita Isley. Diga-me o que você fez com ele. Vimos nas câmeras de segurança que você e ele saíram de sua cela ontem à noite.
  • Hera Venenosa: E daí?
  • Quincy Sharp: Eu preciso desenhar? Nós sabemos que você o hipnotizou ou seja lá o que você faz. Sabemos que ele te levou para algum lugar, mas convenientemente, as câmeras de segurança da ilha foram misteriosamente cobertas por folhas e flores às 3 da manhã. Agora diga onde ele está!
  • Hera Venenosa: Não direi uma palavra até que você faça exatamente o que eu mandar.

Fita CincoEditar

Interrogatório nº 3 com paciente, 18 de nov.
  • Quincy Sharp: Nós o encontramos. Não graças a você. O pobre coitado podia ter morrido.
  • Hera Venenosa: E daí?
  • Quincy Sharp: Ele tem esposa e filho.
  • Hera Venenosa: Assim como as plantas nas quais ele pisa. Os esporos que ele inala e destrói tem filhos. Por que ele merece mais do que eles? Vocês ignoram o que acontece bem na frente dos seus olhos.
  • Quincy Sharp: Eu me recuso a colocar o bem-estar de plantas acima do bem-estar das pessoas.
  • Hera Venenosa: E é por isso que você vai perder. Há mais coisas acontecendo do que você sabe, Diretor. Tudo está conectado.

GaleriaEditar

Batman: Ataque ao Arkham e Arkham AsylumEditar

Batman: Arkham CityEditar

Batman: Arkham KnightEditar

CuriosidadesEditar

  • Em Arkham Asylum, Hera tem uma nuvem de esporos saindo dos cabelos. No entanto, depois do Coringa injetar um pouco de Titan nela, a nuvem desaparece e nunca reaparece na série.
  • Em Arkham Asylum, foi revelado que o incidente entre o Dr. Jason Woodrue e Hera ocorreu no dia 12 de novembro.
  • Batman: Ataque ao Arkham é a única mídia da série Arkham onde Hera Venenosa não tinha linhas, exceto alguns sons que ela faz.
  • É provável que Hera fosse católica desde que um padre foi chamado para lhe dar os últimos direitos e ela orou ativamente.
  • Hera Venenosa é o segundo vilão com uma tela de game over que inclui um membro da Bat-Família, aparecendo ao lado de Robin em Arkham City Lockdown; o primeiro foi Bane em Arkham Asylum.
  • Mulher Gato e Arlequina apelidaram Hera de "Ruiva" devido ao seu cabelo. As três às vezes trabalhavam juntos, com frequência suficiente para serem apelidadas de "Sereias de Gotham" quando eram chamadas em grupo.
  • Hera é a única membro das Sereias de Gotham que não é jogável na série Arkham. É também a única que morre.

Links externosEditar

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.