FANDOM


Arkhamlogo

ALERTA DE SEGURANÇA

Para esta wiki ser mais informativa, os artigos a seguir contém spoilers, ou seja, leia por sua conta própria e riscos.

Arlequina

Arkham Knight Harley Quinn profile

Sans-titre-2

ArkhamCityProfileImageQuinn

Batman Arkham City Armored Edition artwork - Harley Quinn 1

ArkhamAsylumRenderQuinzel

Harleen quinzel AO

Informações Biográficas
Nome Verdadeiro Dra. Harleen F. Quinzel
Ocupação Psiquiatra (estagiária, antigamente)
Criminosa profissional
Fica em Gotham City
Afiliações Martin Joseph (antigamente)
Coringa (antigamente)
Sr. Martelo
Espantalho
Amanda Waller (antigamente)
Esquadrão Suicida (antigamente)
Hera Venenosa
Mulher Gato
Pistoleiro (antigamente)
Descrição Física
Cor dos Cabelos Loiros (já pintado de preto)
Cor dos Olhos Azuis
Altura 1.70 m
Peso 63 kg (Arkham Origins)
64 kg
Informações de Jogo
Aparece em Batman: Arkham Origins
Batgirl/Harley Quinn
Uma Questão de Família
Batman: Ataque ao Arkham
Batman: Arkham Asylum
Batman: Arkham City
Arkham City Exclusive Digital
Caos em Arkham City
Batman: Arkham City
A Vingança da Arlequina
Arkham City: End Game
Batman: Arkham Knight
Pacote de História da Arlequina
Batman: Arkham Knight
Romance Arkham Knight
Dublador Arleen Sorkin
(Arkham Asylum|, em inglês)
Tara Strong
(Arkham City, Arkham Origins, Arkham Knight, em inglês)
Hynden Walch
(Ataque ao Arkham, em inglês)
Iara Riça
(Arkham Origins, Arkham Knight, em português)
Christiane Monteiro
(Ataque ao Arkham, em português)
Primeira Aparição Batman - O Desenho da TV #6 (Agosto 1994)
Bem, olha só quem chegou tarde pra salvar o dia. Como está indo, Bat-cérebro? Faz muito tempo.
— Arlequina

Psiquiatra do Asilo Arkham, designada para cuidar do Coringa, a Dra. Harleen Quinzel acabou ficando obcecada por seu paciente, acreditando estar apaixonada por ele.

Ela o ajudou a fugir e assumir sua própria identidade criminosa: Arlequina, uma criminosa violenta e imprevisível cuja única motivação era conseguir a aprovação do Coringa.

Com a natureza cruel e volátil dele, isso de certa forma a tornou mais uma de suas vítimas - ainda que muito perigosa.

Relatório de IncidentesEditar

Antes de Arkham OriginsEditar

Harleen Quinzel trabalhou na Prisão de Blackgate como psiquiatra estagiária, ajudando no tratamento de pacientes mais perturbados mentalmente. A própria Harleen não era um poço de sanidade - tinha uma mente fraca e era facilmente manipulável. Não tinha muitos amigos e sofria de uma necessidade de atenção, isso tornava sua vida "tediosa", e ela sempre queria afastar esse tédio.

Incidente de Arkham OriginsEditar

Harleen estava na sua consulta com o recém-capturado Coringa, onde ela havia pedido para ele descrever o que ocorreu naquela noite, assim Harleen tentaria estudá-lo. Mas no entanto, o Palhaço falava sobre o vigilante Batman - que havia o capturado - de uma forma que ela considerou "meiga", e acreditando que ele se referia a ela, isso mudou a cabeça de Harleen, que acabou o soltando e deixando ele fazer um motim em Blackgate.

Ela também serviu como falsa refém para atrair Batman ao Coringa e começar sua "brincadeira" no final da noite.

Entre Arkham Origins e Batgirl/Harley QuinnEditar

Durante esse tempo, Harleen Quinzel conseguiu um emprego no Asilo Arkham após seu estágio em Blackgate, e por sua sorte, continuou tratando do Coringa. A psiquiatra, sem perceber, ficou loucamente apaixonada pelo Palhaço do Crime, chegando até o apelidar de "pudinzinho".

Em algum momento, ela deu a Quincy Sharp, o diretor do Asilo Arkham, um pedido de transferência do Coringa para uma prisão mais segura, alegando que ele teve um progresso enorme.

Incidente de Batgirl/Harley QuinnEditar

Algum tempo mais tarde depois de seu pedido ser enviado, Quincy Sharp respondeu negativamente tal pedido, afirmando que é impossível para alguém como o Coringa (com um longo histórico de fugas, motins, assassinatos e instabilidade mental) se curar em apenas um ano de tratamento com Harleen. Além disso, Sharp decidiu que Harleen não seria mais a responsável pelo tratamento do Coringa, e a transferiu de ala.

Ao dar as notícias ao seu "pudinzinho", Harleen foi convencida ao Palhaço de que se ela não pode tirá-lo de lá, poderia ao menos fazer o "trabalho" em seu lugar, dando a ela o apelido de "Arlequina". Harleen se vestiu tematicamente e atacou um circo na cidade. O ataque, no entanto, foi impedido pela Batgirl, que tentou convencê-la de que o Coringa estava apenas a usando. No final do embate, a Arlequina conseguiu fugir.

Ao voltar ao Coringa e relatar a situação, o Palhaço criticou sua atuação, e Harleen começou a pensar sobre o que Batgirl disse. De repente, ele mostrou a ela uma flor feita de cartas, e então a sua psiquiatra virou de vez a Arlequina.

Entre Batgirl/Harley Quinn e Uma Questão de FamíliaEditar

Logo após o incidente no circo, Harleen assumiu de vez a identidade de Arlequina, soltando o Coringa do Arkham que decidiu atacar os aliados do Batman ao invés do próprio Morcego diretamente. O Palhaço, que já havia matado Robin/Jason Todd, decidiu ir atrás da Batgirl que enfrentou Arlequina mais cedo.

Em algum momento desse meio-tempo. Oswald Cobblepot deu uma festa para os maiores criminosos de Gotham, e convidou o Coringa, que levou Arlequina. Na festa, a garçonete derramou acidentalmente vinho na jaqueta do Coringa, que simplesmente riu da situação e jogou ácido em seu rosto, o desfigurando. O Pinguim ficou enfurecido com a situação.[1] Em algum momento após isso, os dois roubaram um caminhão de cigarros do Pinguim e o jogaram na água por simples diversão, o que deixou o relacionamento com Cobblepot pior.[2]

Antes de dar início com seu plano contra Batgirl, o casal comprou uma bomba-atômica e a esconderam no martelo de Arlequina. Esse rumor iria se espalhar pelas ruas de Gotham mais tarde, até chegar aos ouvidos do Batman, que começaria uma investigação.[2]

Incidente de Uma Questão de FamíliaEditar

O casal então pôs seu plano contra Batgirl em ação. Eles sequestraram o Comissário James Gordon e sua equipe do DPGC e o deixaram de reféns em um parque de diversões abandonado. Então, tentaram atrair Batgirl para uma armadilha, alegando que Batman não poderia interferir ou os reféns morreriam. O Robin Tim Drake no entanto ajudou a parceira, e juntos eles derrotaram o Palhaço, que acabou por escapar. Para a sorte deles, a Arlequina foi capturada nesta noite.

Entre Uma Questão de Família e Ataque ao ArkhamEditar

Em algum momento, o Coringa foi capturado e enviado de volta ao Arkham. A Arlequina foi transferida a uma prisão federal, onde ficou sob supervisão de Amanda Waller.

Incidente de Ataque ao ArkhamEditar

Após a situação ficar crítica, Amanda Waller (que estava vigiando Arlequina de perto) decidiu colocá-la na Força-Tarefa X, uma organização do Coringa feita pelos maiores criminosos dos Estados Unidos que são, de um jeito ou de outro, forçados a trabalhar em prol de seu governo. Arlequina, junto ao Pistoleiro, Capitão Bumerangue, Rei Tubarão, Nevasca, Aranha-Negra e KGBesta foram enviados a uma sala, onde tomaram uma injeção que implantava uma mini-bomba em suas cabeças, caso desobedecessem, teriam suas cabeças explodidas (KGBesta foi o primeiro a descobrir isso). O grupo da Arlequina seria mandado ao Asilo Arkham para recuperar sua bengala, que continha informações sigilosas que necessitavam de ser recuperadas.

Enquanto o Pistoleiro liderava a equipe, a Arlequina seria responsável por levar o grupo no Asilo, já que conhecia o lugar, suas senhas e passagens. Antes de irem, a Força-Tarefa X foi tirar informações com o Pinguim que, ao ver Arlequina, ficou irado e não quis cooperar, mas o Pistoleiro foi muito convincente. Mais tarde naquela noite, o Pistoleiro e a Arlequina fizeram sexo.

Quando o momento de invadir o Asilo finalmente chegou, a Arlequina fingiu estar roubando uma loja de bonecas e foi rapidamente surpreendida pelo Batman, que a interrogou sobre a bomba-atômica que ela e o Coringa trouxeram a alguns meses atrás. Ela convenceu o Morcego que não sabia de nada e foi levada ao Arkham. No meio do caminho, o Pistoleiro assumiu o carro policial que a escoltava, e fingiu ser o guarda até o momento em que ela viu o Coringa em sua cela. A Arlequina fingiu estar furiosa e tentou atacá-lo ao roubar a arma do Pistoleiro, porém isto era um plano para abrir um buraco na parede da célula onde ficava o controle dela. Mais tarde, o Coringa fugiria por esta abertura.

A Arlequina levou o grupo pelo Asilo até o armário de provas, onde foram atacados pelo Batman que percebeu algo errado no Arkham. No meio da luta, o Aranha-Negra sumiu, e quando voltou, mostrou que havia matado o Morcego. Mais à frente, a Força-Tarefa X descobre que Amanda queria o Charada morto, e mandou Nevasca fazer isso. No entanto, Edward os contou que ele já foi um membro da Força-Tarefa X, e que sabia como desativar as bombas. Eles o levaram a Ala Médica onde o criminoso aplicou uma grande carga de choque em todos os membros, com exceção do Aranha-Negra que ficou de vigia. Quando Amanda descobriu a traição do grupo, tentou ligar as bombas, matando o Tubarão Rei, que tinha uma pele muito grossa para o choque através e desativar a bomba. Quando questionaram o por que de Aranha-Negra não ter morrido, o Charada percebeu que ele era o Batman (Batman trocou de lugar com Aranha-Negra na sala dos armários de prova). Durante a luta, o Coringa se revela e leva a Arlequina com ele, e juntos eles pegam o martelo da criminosa e soltam diversos internos do manicômio, começando um motim.

No meio da confusão, eles entraram em um helicóptero, onde o Pistoleiro interveio e lutou contra o Palhaço. Quando o helicóptero atingiu um prédio (pois estava sendo controlado pela Arlequina, que não tem experiência em pilotá-lo), o Batman entrou no meio da briga, roubando o martelo de Arlequina e desativando a bomba. Já na luta com o Palhaço, o Pistoleiro jogou e prendeu o Coringa no helicóptero, que estava para cair do prédio. Quando ouviram sua risada enquanto o helicóptero despencava, todos pensaram que ele havia morrido.

A Arlequina foi uma dos vários internos que fugiu no meio do motim, enquanto a Força-Tarefa X foi ou morta no motim, ou ficaram livres, como o Pistoleiro, que matou Amanda Waller.

Entre Ataque ao Arkham e Arkham AsylumEditar

Mais tarde, de alguma forma, o Coringa sobreviveu a queda do helicóptero, e se reuniu com a Arlequina de novo.

O Coringa, cansado de sempre ser derrotado pelo Batman, bolou um plano onde ele iria tomar o Asilo Arkham e causar um motim de dentro semelhante ao que fez da última vez. A Arlequina ficaria com a tomada da segurança, e seria a responsável por trancar o Asilo e impedir qualquer um de entrar ou sair, esse plano seria botado para frente mais tarde. Isso seria seu último plano, e juntos dariam um fim ao Batman. Para terem uma vantagem sobre qualquer um, o Coringa contratou a Dra. Penelope Young para criar uma versão variante do Veneno de Bane, o Titan. Isso daria o Coringa um exército de Banes melhorados. No entanto, a Dra. parou com os experimentos quando descobriu que o Coringa era o comprador anônimo, porém ela já tinha a fórmula completa, e o Palhaço apenas precisava tomar o Asilo para achá-la.

Incidente de Arkham AsylumEditar

A Arlequina conseguiu entrar no Asilo e assumiu o controle da segurança, soltando o Palhaço e vários internos de Blackgate. Ela também espalhou ameaças falsas de bombas pela cidade, e que se alguém intervisse no Asilo, ela iria explodi-las. A Arlequina fica encarregada de manter Gordon como refém e Batman afastado dele, mas falha nessa missão. Após um tempo, ela enfrenta o Morcego novamente, com ajuda de alguns capangas, porém é derrotada e presa em uma cela. O Batman rouba dela a lista de convidados do Coringa para a "festa" que ele planejava para o Morcego, onde daria o Titan ao recém-capturado novamente, Jim Gordon.

Durante a noite, o Coringa usou o Titan em si mesmo, o que causou uma doença que viria a se espalhar em seu sangue futuramente. O Asilo teve o controle retomado, já que Batman deteve o motim. A Arlequina foi colocada em uma cela separada de seu amado.

Incidente da HQ Arkham CityEditar

Enquanto presa, a Arlequina ouviu falar que seu pudinzinho estava doente, e entrou em colapso. Quando ela ouviu sobre Arkham City, uma super-prisão que envolveria toda a Velha Gotham para alojar os prisioneiros do Arkham e Blackgate, ela não perdeu tempo e planejou salvar o Coringa quando ele fosse transferido.

Incidente de Exclusive DigitalEditar

A Arlequina consegue soltar o Coringa com sucesso, porém não foi na sua "transferência", apesar de que estava no papel como transferência, mas Hugo Strange, o homem que mandava em Arkham City e no novo prefeito Quincy Sharp, havia ordenado a execução do Coringa. A Arlequina o salvou e o levou a um barco, onde seriam os primeiros a chegarem em Arkham City. Eles se alojaram na Siderúrgica Sionis, que seria a base do Coringa na prisão, e lá eles começaram a "decorá-la" ao gosto do casal.

Meses mais tarde, quando Arkham City foi aberta, a Arlequina saiu para recrutar mais homens, mas acabou sendo surpreendida pelo Robin, que encontrou uma maneira de entrar e sair da prisão sem ser detectado.

Entre Exclusive Digital e Arkham CityEditar

A Arlequina percebeu a doença Titan se espalhando no Coringa, e juntos roubaram a rapturaram do Sr. Frio para obrigá-lo a fazer uma cura. De repente, ele parou de responder e o Coringa começou a achar suspeito. Ao saberem que o Batman estava em Arkham City, o casal bolou o plano de envenená-lo e fazer o mesmo em Gotham, colocando seu sangue no Morcego e doando pelos hospitais da cidade.

Incidentes de Arkham CityEditar

Antes de botar seu plano em ação, a Arlequina e o Coringa chamaram o Cara-de-Barro para ajudá-los, fazendo ele se disfarçar de Coringa várias vezes durante a noite.

Ela e seu amado, junto com a Basil Karlo, capturaram o Batman e juntos eles colocaram o sangue doente do Coringa no Morcego e o obrigam a achar a cura a tempo. A Arlequina cuidou do Coringa enquanto ele estava debilitado e, quando Batman conseguiu a ajudar Frio a fazer a cura, a Arlequina roubou a cura, e foi impedida mais tarde por Talia al Ghul de dá-la ao Coringa. Talia a prendeu enquanto o Coringa teve que se virar sozinho para conseguir a cura de volta.

O Cara-de-Barro foi derrotado, e por imprudência do Palhaço, a cura que Batman já havia tomado um pouco, e estava prestes a dar para o Palhaço cai no chão, e o Coringa morre. A Arlequina, que foi solta pelos seus capangas mais tarde, ficou chocada ao ver o Coringa sendo levado para fora de Arkham City.

Incidente de A Vingança da ArlequinaEditar

Após os eventos em Arkham City, a Arlequina sequestrou alguns policiais e os fez de reféns na Siderúrgica Sionis.[3] Quando soube da situação, o Morcego adentrou o local com o intuito de salvar os policias, mas acabou levando um tiro da própria Arlequina. Após isso, um de seus capangas tiraram seu cinto de utilidades e o deixou jogado no salão principal enquanto o Batman era aprisionado em um globo de vidro com a estátua do Coringa.

Dois dias após o sumiço de Batman, Oráculo e Robin decidiram procurar por ele. O Menino Prodígio invadiu a Siderúrgica e resgatou os reféns, além de salvar o Batman, porém a Arlequina os surpreenderam explodindo o prédio. O Morcego conseguiu salvá-la mas perdeu Robin de vista. Após levantar, Arlequina tentou atacá-lo por trás, mas foi impedida pelo próprio Robin que a lançou uma Shuriken, deixando ela inconsciente. Após isso, a Arlequina foi presa e levada para fora da já condenada Arkham City.

Entre A Vingança da Arlequina e o Pacote de História da ArlequinaEditar

Pouco antes do incidente do Dia das Bruxas, Arlequina foi convocada pelo Espantalho a uma reunião secreta de vários e antigos inimigos do Batman, no entanto, ainda faltava Hera Venenosa, que estava sendo presa em Blüdhaven e precisava de resgate.

Incidente do Pacote de História da ArlequinaEditar

Com a ajuda do Pinguim, Arlequina infiltrou no Departamento de Polícia de Blüdhaven onde ela buscava libertar a Hera Venenosa. Arlequina conseguiu chegar a cela de sua amiga, mas foi emboscada pelo Asa Noturna. Após enfrentá-lo, Harleen saiu vitoriosa e conseguiu soltar Hera.

Antes de Arkham KnightEditar

Arlequina foi na reunião do Espantalho para saber do seu plano de destruir o Morcego. Ele planejava usar todos os seus inimigos de uma vez. Durante o Dia das Bruxas, ele iria ameaçar explodir uma bomba do Gás do Medo em Gotham, fazendo a cidade ser evacuada. Com ela livre, todos os criminosos teriam uma chance de se vingar do Batman de diversas maneiras. Arlequina reuniu sua gangue para que pudessem atacar o Morcego em vingança a morte do Coringa.

Incidente de Arkham KnightEditar

Arlequina descobriu que o Batman estava mantendo alguns infectados com o sangue do Coringa (casos não registrados pelos hospitais que Robin deixou passar despercebido durante os eventos em Arkham City e que esses infectados estavam virando "Coringa"s, assumindo uma personalidade maníaca e totalmente imprevisível. A Arlequina invadiu o estúdio de cinema do Batman e libertou três infectados, porém a Dupla Dinâmica conseguiu recapturá-los.

Henry Adams, o quarto infectado que aparentemente era imune ao sangue, se demostrou como um outro Coringa, e matou todos os três infectados, porém quando viu que o próprio Batman estava virando um Coringa, ele acreditava que o Morcego seria "espetacular", e se matou. Arlequina foi presa depois disso.

Mais tarde, ela viu o Espantalho, com James Gordon de refém, sequestrando Robin. Quando Batman a questionou se ela os viu, Harleen respondeu com sarcasmo. A Arlequina ficou presa o resto da noite, até a identidade de Bruce Wayne ser revelada. Depois, ela foi levada ao DPGC.

AparênciaEditar

Arlequina sempre usou roupas curtas e algo mais "sensual", assim deixando seus inimigos "sem atenção". Ela geralmente usa roupas que remetem a uma personagem, como uma médica em Arkham Asylum ou uma de luto em A Vingança da Arlequina.

As cores que a Arlequina mais parece gostar de usar são o vermelho, branco e preto, nessa exata ordem. Seus cabelos são loiros, mas durante A Vingança da Arlequina, ela os pintou de preto para demonstrar luto. Arlequina também parece gostar de usar muita maquiagem, que lhe ajuda a montar uma melhor fantasia.

PersonalidadeEditar

Harleen Quinzel sempre foi uma pessoa boa, sem muitos amigos, porém era obcecada com os poucos que tinha, até ela conhecer o Coringa. O Palhaço contou a ela sobre seus encontros com Batman mas nunca disse o nome do Morcego, e pela forma que ele falava, ela ficou apaixonada por ele, o soltando e, desde então, sendo sua ajudante psicopata e tão cruel quanto ele, sempre buscando sua aprovação.

Após o Coringa morrer, Arlequina ficou muito tempo de luto, porém quando decidiu retomar a gangue do Palhaço e fazê-lo orgulhoso, ela se mostrou uma excelente líder, e muito inteligente, chegando a descobrir o estúdio de cinema sem muita dificuldade.

Perfil psicológicoEditar

Harleen QuinzelEditar

  • Nome Verdadeiro: Harleen Frances Quinzel

AtributosEditar

  • Força e resistência surpreendentes
  • Habilidade em ginástica superior
  • Desprezo total pela vida humana

NotasEditar

  • Grande interesse por mentes criminosas.
  • Estagiária na Prisão Blackgate.
  • Médica mais graduada trabalhando em 24 de dezembro

GaleriaEditar

ReferênciasEditar

  1. Histórias de Arkham City
  2. 2,0 2,1 Batman: Ataque ao Arkham, 2014
  3. Batman: Arkham City - End Game, 2013
O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.